Arquivo do mês: novembro 2016

Como acender uma fogueira

O Regresso, filme de Alejandro González Iñarritu que deu o Oscar de Melhor Ator para aquele menino, Leonardo Di Caprio, é um manual do escoteiro para sobrevivência na selva, com ensinamentos úteis para os dias atuais. Senão, vejamos: Não acredite … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Lições de veteranos serelepes

Levei um dos maiores sustos da minha vida com Dia 16, de Odair José. A faixa título, que também é de abertura, tem guitarras de heavy metal. Você pensa que está ouvindo um clássico do AC/ DC. Depois ele ameniza, … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Como falar em público

Eu vi o Steve Jobs de Danny Boyle com atraso. Vivo atrasado com relação a filmes. Raramente vou ao cinema, que me dá sono. A profusão de efeitos especiais na tela, para mim, é enfadonha. Estou por aqui de super-heróis … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Goianos na linha de frente

Eu não entendi muito bem a capa do primeiro CD de Bruna Mendez. Talvez o que me incomode seja a falta de olhos no rosto da cantora ou o fato de que este rosto não esteja aparentemente ligado a um … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Como domar cavalos

Antes da revista Bizz, Maurício Kubrusly editava a SomTrês. Não guardei nenhum exemplar. Saudade. Bem feito. Quem mandou? Li minhas primeiras críticas de música na SomTrês. E pulava toda aquela parte sobre equipamentos de som. A revista Música também tinha … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Com o samba na bagagem

Emanuelle Araújo é uma mulher sozinha, atordoada, de madrugada, fumando um cigarro atrás do outro, em algum lugar do mundo, em Uma Mulher, de Gabriel Muzak, faixa de abertura de seu primeiro solo, O Problema É a Velocidade. Uma baita … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Como cultivar abelhas

Todos os jornalistas da minha geração queriam ser Paulo Francis. Eu prefiro Telmo Martino. Paulo Francis é uma grife de perfume. Telmo Martino, uma rara marca de chocolate. Francis, o intelectual. Martino, o irreverente. Ambos, doidivanas. Tolice ignorar a influência … Continuar lendo

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário